Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MONTEBUZACO

O MITO DA PROCURA DE DEUSES E DEMÓNIOS

MONTEBUZACO

O MITO DA PROCURA DE DEUSES E DEMÓNIOS

22
Mai07

MONTEBUZACO 3

Peter

 

 .

 ________JANEIRO_______

___________________________

Segurei tuas mãos e foram leves

alguns minutos mais da noite vinda

segurei tuas mãos instantes breves

que se foram e penso ter ainda.

                       +++

Beijei-te as faces na carícia o sonho

do que não pode ser por ser somente

fútil sopro de vento aonde ponho

uns pedaços que fazem o presente.

                       +++

Entrelaçamos dedos na memória

do pouco que já foi por nós vivido

espalhámos semente na ilusória

estrada de nós dois de um só sentido.

                      +++

Imaginámos coisas ó irreal

aventura que tanto nos seduz

se o inventar é coisa trivial

não inventemos medo mas sim luz.

                       +++

Por tortuosas vias somos dois

a clamar da vida doação

dava-te tudo se pudesse pois

metade de mim próprio é transição.

                      +++

Segurei-te nas maõs pedi-te um beijo

na face de mulher não é pecado

é muito mais pecar ter o desejo

solto numa prisão amordaçado.

                      +++

Caiu a noite após parcos minutos

há sombras sobre nós a qualquer hora

faltam-te a ti meus braços devolutos

falta-me a mim o sol que me apavora.

 

 

.__________MOINHO DE SULA

__________________________

.

Na encosta de Massena

a estrada sobe á curvas

e nasce a pica folha

na humidade do inverno

que é feito de enxurradas

e de recordações

granadeiros azuis estão fuzilados

nas pedras dos barrancos

deles emergem cedros com raízes

cravadas nos seus ossos

em vales profundos grossos

e encharcados de águas.

             +++

Sobe por aí acima

nesse corpo de inertes e de sóis

o incógnito ermitão

em diária oração

enquanto a chuva cai

nas carroças dos soldados

de súbito parados

e colados ao chão.

           +++

São verde escuro os tons da natureza

sobem descem procuram estabelecer

uma paragem uma fotografia

de baioneta em riste não havia

outra forma de ser nem de fugir

do cerro pedregoso

inóspito nervoso e para a frente

montanha do presente

ao começar o dia

.

.  

_____POENTE______

__________________

 

Nesta água que salta

pedra em pedra

roçando nos esqueletos

e nos ribeiros leves

há a alma dos frades

para quem credita ...

quem acredita crê

pois assim seja...

 

abre-se sobre o sul

um simples janelo

por onde cada alma

enjaulada de antigo

faz preces esquecidas

no seguro aconchego

do arvoredo

dentro do muro

há musgo , crença e medo

que o tempo semeou.

no horizonte

os campos do mondego

do águeda, do vouga

lavrados pela névoa

do sol do entardecer

vão morrer

numa bola de fogo

envolta em fumo

que á nossa frente

tomba quase a prumo

na sombra e resto

do escurecer.

.

 

______MATA___________

_______________________

 

De humidade é o sítio

e o frio que aqui nasce

rasga os ossos

nesta chuva que teima

sobre a encosta da serra

nas horas de ninguém

a caldeira do humus

o nevoeiro serrado

dos frades que não rezam

como foi tradição

esconde o céu

e pingos no telhado

acordam na capela

o oratório branco

por onde avança a bruma

o redodendro escondeu-se

na circunstância

o som macio esconde

chuva miuda

no silêncio que vem de fora

só as bátegas fazem

o curso do ribeiro

cantar de pedra em pedra

no meio do próprio inverno

e tarde vai e tarde vai lavada

lavada e espargida

na floresta verde

verde escura macia

que se recorta ou não

á nossa frente.

.

 

_______________NOITE

____________________

.

A tarde nas acácias foi a noite

negra .já sei que fiquei cego

de palavras de imagens e de sonhos

que ribonbavam no ar e nos pinheiros

no eco da trovoada

             ++++

Ficou tudo silêncio amargo

pelo cume das viagens

as mãos que amaciavam

arrefeceram como polos

e negaram os sons do abandono

              ++++

Que foi que apeteceu aos deuses

para beber as gôtas de àgua

da beira dos caminhos

dos seios e dos olhos

dos lábios que queimavam ?

              ++++

Quantas vezes subiu o elevador

da imprevisível rota

quantas vezes olhando o céu

se contornou a terra de ninguém

sem o norte do leme ?

            ++++

No cais absurdo

ancorou medo e a bagagem

dessa navegação futil

engolida pelo mar que coisa inutil

desaparecer na bruma

e desfazer-se em espuma...

 

 

 

   ___ENTÃO___

___________________

 

Gostava de te ver passar

no ford a acenar

quase de pé

pouco depois ao telefone

sou eu...

e a nossa experiência resumia

o quanto havia

na mesa do café....

            ++++

Mas quanta ansiedade se bebia

numa bica tirada nas palavras

avidamente ditas

pelo olhar...

e o tempo parava alguns minutos

para nos deixar escutar....

          ++++

As lágrimas vieram como chuva

que tombou com a sonoridade

do silêncio entre nós

fechado no conflito subjacente

por entre toda a gente

do após...

.

.

_________ORAÇÃO__________________

______________________________________

Haverá alma dos frades nas nascentes que brotam

fazem ribeiros breves assobiam

entre as árvores e sombras

e chilrear dos pássaros calados ?

                     ++++

Haverá deus por aí numa janela aberta

haverá mesmo deus

em cada sul onde vagueia a lua

no rijo das encostas escarpadas

que seguram raízes ?

                     ++++

Estará deus nas raízes e campos

do mondego do águeda do vouga

lavrados do horizonte

desde a aurora

ao sol do entardecer ?

                    ++++

Ou será deus ali bola de fogo

que tomba a nossa frente quase a prumo

numa orgia de inferno

sobre as ondas do mar ?

                   ++++

E haverá deus no pó que destes frades

ficou pelo monte

em capelas perdidas ?

ó alma humana talvez hajam centelhas

bocadinhos dum deus

á nossa volta

em cada um de nós

velocidade

do horizonte em frente...

.

.

____OUVIR____________

 

Eu gosto de te ouvir a contar histórias

quando te despes nua como flor

a contar-me da vida, obrigatórias

questões das tuas preces e amores

                   ++++

Voltar aos vinte anos é loucura

direi que não fazia essa tenção,

só se me acompanhasse, com ternura

calor da tua mão, na minha mão.

                  ++++

E um sonho comum, sonho e abrigo

das nossas transparências consumidas,

onde pudesse rir, rindo contigo

e pudesse beijar-te horas seguidas.

                 ++++

E ter esses teus braços como vento,

pendurados em mim, sofreguidão

de cingir-te a cintura no momento

de fazer consumir nossa paixão.

                ++++

Depois saltar, saltar pela cidade

com pedaços dos dois côr de cereja

abraçar-te na rua, liberdade

de quem se quer e ama e se deseja

               ++++

 Amaciar também os teus cabelos

desfia-los por mim ,que me apetece

sentir o teu olhar, teu corpo e tê-los

colados ao meu corpo, que anoitece.

               ++++

Gosto de ouvir a tua voz, pedaços

dentro de ti, da tua condição,

aromas que se espalham pelos espaços

como se fossem mundo em expansão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

VISITAS

Arquivo

    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D